Tudo sobre aids: causas, sintomas e tratamentos!

Tudo sobre aids: causas, sintomas e tratamentos!

.. comentário


A aids é uma infecção viral infelizmente ainda sem cura. É uma doença do sistema imunológico humano causada pelo vírus HIV. Saiba aqui tudo sobre aids: causas, sintomas e tratamentos!

O que é aids

A sigla SIDA (AIDS em inglês) significa síndrome da imunodeficiência humana. Os primeiros casos de AIDS foram detectados em 1981 nos Estados Unidos, embora provavelmente já existisse em outras partes do mundo em datas anteriores. Os cientistas estabeleceram em 1984, que a AIDS é a doença causada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), um vírus indestrutível, até o momento, que é transmitido de uma pessoa para outra, através do sangue ou por contato sexual.

Causas da aids

O vírus da aids se transmite através do sangue, do sêmen (incluindo o fluido pré-ejaculação), assim como o fluido vaginal e o leite materno. O vírus pode entrar no organismo através do reto, da vagina, do pênis, da boca, outras superfícies mucosas, como a parte interna do nariz ou diretamente através das veias. As vias mais comuns de contaminação são:

– Por relação sexual (vaginal, oral ou anal) com uma pessoa infectada pelo HIV.
– Pelo compartilhamento de agulhas, material de injeção ou de consumo de drogas.
– Pela chamada transmissão vertical (de mãe para filho).
– Ser receptor de uma transfusão de sangue.

O vírus da aids não é transmitido:

– Pelo ar ou pela água.
– Através de animais ou insetos (como os mosquitos).
– Por compartilhar cobertores, banheiros ou qualquer outro instrumento que não envolvam contato sanguíneo ou fluidos sexuais.
– Pelas fezes, fluido nasal, saliva, suor, lágrimas, urina ou vômito, a menos que estejam infectados de sangue.
– Por tocar, beijar, acariciar e abraçar uma pessoa infectada.

Sintomas da aids

Entre 50% e 90% das pessoas que foram infectadas pelo vírus da aids experimenta sintomas semelhantes a uma gripe ou resfriado leve (cansaço, febre, perda de apetite) que remite poucos dias. Também pode sofrer diarréia, suores noturnos ou aumento dos gânglios linfáticos.

A única maneira de saber que contraiu a infecção é com um teste específico realizado por um profissional de saúde. Muitos soropositivos não manifestam os sintomas de infecção até que se passem vários anos, daí a importância de saber que práticas e situações podem determinar a infecção e agir em conformidade.

Prevenção da aids

Para reduzir o risco de contrair o vírus, é necessário evitar as relações sexuais de risco e utilizar métodos anticonceptivos de barreira, como o preservativo, assim como não compartilhar agulhas.

Tipos

Existem vários tipos de vírus da SIDA.

Os mais comuns são o HIV-1 e HIV-2. Enquanto o primeiro é considerado o responsável pela epidemia que foi transmitido no mundo ocidental, o HIV-2 parece limitado na área oriental do continente Africano. Nem todos os infectados pelo vírus desenvolvem a doença, embora a maioria acaba desenvolvendo. O mais frequente é que a cada cinco ou dez anos um infectado pelo HIV sofra os sintomas da doença, se não tiver recebido o tratamento. Embora não haja cura para erradicar o vírus do organismo infectado, desenvolveram uma série de medicamentos que podem retardar o aparecimento dos sintomas patológicos.

Tratamentos da aids

O tratamento varia dependendo de cada paciente, mas a terapia inclui uma ou mais classes de remédios.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que todos os pacientes com HIV comecem a ser tratados com anti-retrovirais o mais rapidamente possível a partir da confirmação do diagnóstico. Esta indicação também se estende a pessoas que, além da aids, tenha hepatite C. A eficácia deste tratamento para manter os infectados com cargas virais indetectáveis ​​e para controlar a propagação do vírus.

Outros dados

Essas patologias englobam um conjunto de doenças que, como o seu nome sugere, aproveitam “oportunamente” a situação de baixas defesas dos pacientes HIV-positivos para entrar no organismo. Em muitos casos, se trata de enfermidades que não desenvolveria se o sistema imunológico não fosse fraco. Isto não significa que estas doenças são apenas específicas de uma pessoa com o HIV, há muitas outras doenças além da aids, que pode danificar o sistema imunológico. Como sempre, somente o médico pode determinar o diagnóstico, que neste tipo de doença exige, juntamente com o exame de sintomas, uma análise laboratorial. Alguns dos mais comuns são:

– Pneumonia por Pneumocystis carinii.
Tuberculose.
– Candidíase.
– Citomegalovírus.
– Herpes.
Toxoplasmose.
– Sarcoma de Kaposi.

Viver com a AIDS

Algumas recomendações para prevenir infecções e enfermidades em pessoas soropositivas:

Lavar as mãos frequentemente, com água e sabão durante pelo menos 15 segundos, evitará transmitir germes. Se suas mãos estão secas você pode utilizar cremes hidratantes, mas não deixe de lavá-las. Seja especialmente cuidadoso se tem um resfriado ou gripe.

Cobrir suas feridas e cortes. Se for preciso você curar uma ferida de uma pessoa infectada use luvas descartáveis. Use-as também se tiver que limpar o banheiro, coletar fezes ou vômito de uma pessoa soropositivo, assim como para lavar a boca, reto ou genitais desses pacientes.

Se você tiver que administrar medicamentos a um soropositivo através de injeções, extremo cuidado para não se perfurar, é uma possível via de infecção. Lavar cuidadosamente a área da injeção com água e sabão e contactar o seu médico para ele te aconselhar sobre o que fazer.

Tente afastar as pessoas enfermas de uma pessoa infectada. Qualquer enfermidade leve e comum, como um resfriado, pode prejudicar um soropositivo. Se você está doente, use máscaras para proteger o paciente de uma possível contaminação.

Tenha cuidado com os animais de estimação. Ter um animal de companhia pode beneficiar emocionalmente uma pessoa infectada, no entanto, é preferível evitar tocar suas fezes, os lugares onde vive ou onde come.

Mantenha a casa limpa. O pó pode conter agentes patogênicos para um soropositivo.

Tente deixar o paciente no quarto perto do banheiro.

Os pacientes com HIV/AIDS podem viver com sua doença por um longo tempo e ter uma vida completamente normal e continuar a trabalhar, desde que cumpra as orientações recomendadas pelo seu médico, comer corretamente, dormir regularmente e evitar uma vida sedentária. No entanto, a possibilidade de transmissão, o carácter crónico desta doença e o complexo tratamento pode causar no paciente frustração, raiva ou depressão. Aqui estão algumas orientações que podem observar as pessoas que convivem com um soropositivo para que não se sintam sozinhos e mal compreendidos.

Respeite a sua independência e privacidade.

Não tome decisões por essa pessoa, nem faça tudo por ela.

Ninguém gosta de se sentir inútil. Deixe-a te ajudar em tudo o que quiser ou puder. É importante que dentro da casa se sinta parte do grupo.

Incentive a sua sociabilidade. Sair para jantar, ir ao cinema ou dar um passeio no parque.

O contato físico, como um beijo ou dar as mãos é uma forma de expressão, que adquire conotações especiais para uma pessoa com uma doença contagiosa como a AIDS.