7 mitos da anestesia peridural

7 mitos da anestesia peridural

.. comentário


Não há quem nunca ouviu algum mito sobre a anestesia peridural. Está sempre presente entre as mamães. Então, nada melhor para acabar com falsas crenças e estar bem informado do que reunir os 7 mitos da anestesia peridural.

7 mitos da anestesia peridural

Mito 1: “É mais provável que precise de uma cesariana”

Uma peridural não aumenta a probabilidade de uma cesariana, mas pode aumentar a possibilidade do médico precisar do fórceps para ajudar a retirar o bebê.

Mito 2: “Se sentirá dormente e não poderá fazer força para o bebê sair”

A epidural proporciona dormência, o que fará com que sinta suas pernas dormentes e um pouco debilitadas. Mas isso não significa que você não será capaz de fazer força para empurrar. A dose da epidural pode ser ajustada para sentir mais ou menos sensação.

Mito 3: “Não poderá receber anestesia epidural, porque tem uma tatuagem na parte debaixo das costas”

A preocupação em torno do risco de que a tinta da tatuagem pode introduzir no canal da coluna vertebral permanece sendo um tema de debate. As mulheres com tatuagens na parte baixa das costas quase sempre podem tomar uma anestesia peridural.

Geralmente, o anestesista tenta encontrar uma área que não seja tatuada para aplicar a peridural. Se isso não for possível, ele tentará por outros meios reduzir o risco: usando uma pequena agulha, etc. Enfim, existem poucos relatos de problemas em tal situação.

Mito 4: “Pode ter uma paralisia”

A lesão permanente do nervo após uma epidural é muito raro. De acordo com uma pesquisa que levou em conta 27 estudos, o risco de uma lesão neurológica persistente é de 1 em cada 240 mil e lesões neurológicas temporárias em 1 de cada 6 mil.

Mito 5: “A anestesia epidural causa terríveis dores de cabeça após o parto”

Cerca de 1 em cada 100 mulheres que já receberam anestesia peridural tem uma complicação de dor de cabeça severa após o parto. Isto ocorre se a agulha perfura a membrana para além do espaço epidural, causando uma fuga de líquido espinhal.

A dor de cabeça é tratada com analgésicos e caso for mais grave pode ser realizado um procedimento chamado parche de sangue epidural.

Mito 6: “Poderá trazer algum dano ao bebê”

Uma anestesia epidural não afeta o bebê. Somente os analgésicos intravenosos poderia potencialmente fazer com que o bebê sinta mais sono, mas esta sonolência é transitória.

Mito 7: “Todas as mulheres podem tomar a anestesia epidural”

A maioria das mulheres podem, mas em alguns casos a epidural pode não ser segura, como em distúrbios na coagulação ou problemas espinhais e neurológicos específicos. Mas de todo modo os especialistas sabem o que fazer em cada caso e se é seguro ou não.

Sempre haverá mitos em torno da gravidez, por isso antes de enlouquecer é sempre melhor tirar todas as dúvidas com os especialistas.