Saiba tudo sobre a infecção urinária

Saiba tudo sobre a infecção urinária

.. comentário


As infecções das vias urinárias inferiores (bexiga e uretra) são mais comuns em recém-nascidos meninos do que nas meninas, mas com o passar do tempo se torna 10 vezes mais comum em meninas do que em meninos. Na adolescência cerca de 5% das meninas sofrem desse problema, enquanto que os meninos raramente.

Entre os 20 e os 50 anos, são 50 vezes mais comum em mulheres do que em homens. Nos anos subsequentes, as infecções urinárias são igualmente comuns em ambos os sexos, embora os homens idosos a sofrem mais frequentemente, a raiz de infecções persistentes na próstata ou provocadas por um cateter ou outros instrumentos usados ​​durante uma intervenção cirúrgica. Saiba tudo sobre a infecção urinária abaixo.

Embora os cientistas não sabem com certeza, um fator chave para essas diferenças poderia ser porque a uretra da mulher é curta, permitindo assim as bactérias um acesso rápido até a bexiga. Outro seria que a abertura da uretra da mulher é cercada de focos bacterianos, como o ânus e a vagina.

Também parece que a utilização do diafragma como sistema contraceptivo aumenta o risco de infecção do tracto urinário. Além disso, as mulheres cujos parceiros utilizam preservativos com espermicidas têm tendência a um crescimento da bactéria Escherichia coli na vagina, o que aumenta a tendência para a infecção de urina.

A cistite (infecção da bexiga) é, por outra parte, muito comum em mulheres devido à concussões na uretra após a prática de relações sexuais ou, por vezes, por uma conexão anormal entre a bexiga e a vagina. Observou-se que, tomar nitrofurantoína nas duas horas seguintes a um contato sexual, reduz significativamente o risco de infecção em mulheres com infecções urinárias recorrentes.

Outro caso que afeta particularmente as mulheres é o de infecções recorrentes: 80% têm recaídas. De acordo com alguns estudos, essas pacientes tendem a pertencer a grupos sanguíneos determinados, o que as torna mais propensas às infecções urinárias. Para elas, os especialistas frequentemente recomendam pautas como as seguintes…

Dicas para evitar a cistite

– Beber muita água durante todo o dia e tomar vitamina C, já que acidifica a urina impedindo o crescimento de bactérias.
– Usar o papel higiênico de frente para trás, caso contrário, as bactérias do ânus podem aceder a vagina ou a uretra.
– Usar ducha higiênica para evitar o contato com a água suja.
– Limpar cuidadosamente a área genital depois de manter relações sexuais.

As mulheres grávidas não parecem ser mais suscetíveis a sofrer de infecções de urina do que o resto das mulheres (só desenvolvem infecções urinárias entre 2% e 4% das mulheres grávidas). Mas se for esse o caso, é mais fácil da infecção atingir os rins, porque as alterações hormonais e a posição do trato urinário durante a gravidez podem facilitar a passagem das bactérias.

Infecção urinária na gravidez

As mudanças que ocorrem nas mulheres devido à gravidez ao nível do sistema urinário pode favorecer o desenvolvimento de uma infecção urinária, complicações que coloca em risco a mãe e o feto, porque se relacionada com a ameaça de que o bebê nasce prematuro e outros riscos como uma pressão arterial alta.

A infecção do trato urinário, que não causa sintomas deve ser detectada precocemente para evitar maiores complicações renais. As mulheres grávidas devem efetuar em seu primeiro controle pré-natal um exame geral de urina obrigatório, para detectar precocemente qualquer evidência de infecção e indicar o tratamento adequado.

Toda paciente com infecção urinária deve seguir as seguintes recomendações:

– Limpeza genital adequada, a qual deve ser feita da vagina ao reto, isto é, da frente para trás, para evitar que a abertura urinária se contamine com micróbios provenientes do reto.
– Manter um trânsito intestinal normal, evitar a constipação ou diarreia tomando tratamento apropriado, segundo o problema.
– Esvaziar a bexiga com freqüência, urinando com regularidade para impedir que a bexiga fique muito cheia.
– Beba líquidos em abundância para ajudar a eliminar os micróbios ao urinar de maneira assídua.
– Não ingerir muito sal, refrigerantes ou alimentos enlatados.
– São recomendados o repouso físico e a abstinência sexual.
– Aplicar tratamento se há infecção vaginal.
– Se necessário, continuar o tratamento para ajudar a reduzir a inflamação do sistema urinário, o qual deve ser prescrito pelo seu médico.
– Siga as instruções corretamente e realize exames o quanto antes, além de manter um controlo rigoroso da doença, para evitar complicações futuras que podem afetar a mãe e o feto.

Infecção urinária em mulheres

20% das mulheres sofrem infecções do trato urinário inferior ao longo de sua vida e aproximadamente 3% experimentam infecções recorrentes do trato urinário. São consideradas infecções recorrentes quando há três ou mais episódios por ano.

Os micro-organismos mais comuns envolvidos nas infecções urinárias femininas são as enterobactérias gram-negativas, especialmente mirabilis E. coli e Proteus, ou com menos frequência, Klebsiella e Enterococcus faecalis.

Mais de 95% de todas as infecções recorrentes do trato urinário em mulheres é causada por diferentes micróbios ou por recorrência.

O sexo feminino apresenta uma incidência de infecção do trato urinário 10 vezes superior ao masculino, favorecida fundamentalmente por fatores anatômicos como o curto comprimento da uretra e da proximidade do intestino.

Tem sido amplamente demonstrado que o reservatório dos micro-organismos patógenos urinários é na flora fecal que ascendem por a uretra causando a infecção urinária. Com a idade, em mulheres se produz uma perda da colonização vaginal por Lactobacillus com a atrofia da mucosa vaginal associada, e, por conseguinte, com uma alcalinização (diminuição da acidez) do meio vaginal, com o que se explica o crescimento das infecções do trato urinário com a idade.

Tratamento de infecções urinárias recorrentes

O tratamento de infecções urinárias recorrentes na mulher devem ser abordados a partir de três vertentes:

O tratamento adequado do primeiro episódio é essencial para prevenir a repetição da infecção urinária.
Deve ser corrigido as alterações anatômicas ou funcionais capazes de perpetuar ou favorecer a bacteriúria, assim como os hábitos de higiene e dietéticos favorecedores.
Começar um tratamento preventivo em função do número de episódios de infecções urinárias recorrentes.